Ana Catarina Monteiro

Ana Catarina Monteiro: “A [minha] melhor [época] ainda está por chegar”

Joaquim Sousa

Que balanço fazes da última temporada?

Foi a época em que atingi o meu maior sonho, assegurei a minha presença nos Jogos Olímpicos. Além disso fui sexta classificada no Campeonato do Mundo de piscina curta, retirando dois segundos ao meu recorde nacional. Acho que estes dois momentos tornaram esta época memorável para mim. O final da época foi mais complicado e, mesmo assim, fui semi-finalista no campeonato do mundo. Posto isto, acho que o balanço só pode ser muito positivo!

Foi a tua melhor época de sempre?

As duas últimas épocas foram incríveis. Em 2017/2018, foi uma época de superação, de atingir outro nível e que me fez criar expectativas e ambições mais altas do que as que tinha anteriormente. A época de 2018/2019 foi uma época de consolidar tudo aquilo que aconteceu na anterior e que ainda não parecia bem real. Por isso considero que as duas foram as minhas melhores épocas de sempre, mas acredito que a melhor ainda está por chegar!

O que mudou nestes últimos dois anos com o treinador Fábio Pereira?

O acreditar. O Fábio conhece-me muito bem, além de meu treinador e um dos meus melhores amigos, e acho que sabemos aproveitar isso a nosso favor. Eu confio a 100 por cento nele e no nosso trabalho, o que torna tudo muito mais fácil. Criei uma grande base com o Tonas ao longo dos anos que trabalhámos juntos, agora aproveitamos essa base para conseguirmos dia após dia chegar mais longe, atingir e melhorar coisas que não tinha trabalhado tanto. É um processo de superação diária.

Perspetivas para esta nova época?

Tenho dois grandes momentos de avaliação até chegar ao grande momento da época, os Jogos Olímpicos. São o campeonato da Europa de piscina curta em dezembro e de piscina longa em maio. Quero competir a um bom nível e poder ajustar pequenas coisas nesses momentos, para chegar aos jogos olímpicos na minha melhor forma de sempre e com isso bater o recorde nacional e lutar pela melhor classificação!

Vais atacar os recordes nacionais dos 50 e 100 mariposa?

Os 50 não são de todo a minha praia e estão muito bem entregues à Margarida, tenho a certeza que vai continuar a baixá-los! Quero continuar a melhorar e especialmente em piscina de 50 estou relativamente próxima. O meu treino é direcionado para os 200, mas quanto mais rápida eu conseguir ser aos 100, teoricamente mais rápida poderei entrar nos 200. A competição “interna” está a aumentar e acho que isso é muito bom para promover a evolução. Por isso, no fundo, não posso dizer que os recordes dos 100 metros sejam um objetivo, porque não é esse o meu foco, mas acho possível lutar por eles continuando o trabalho que venho a efetuar, seria uma motivação extra.

Alguma preparação específica por causa dos Jogos Olímpicos?

Os Jogos são o culminar de um ciclo, que vem sendo planeado e ajustado ano após anos. Por isso, não há nada muito diferente nesta época das restantes, vamos continuar a seguir o planeamento com vista a chegar lá na minha melhor forma de sempre e superar o que alguma vez já fiz.

Ficou resolvido o problema que abordaste sobre a situação académica?

Felizmente tive um conjunto de pessoas disponíveis para ajudar e encontrámos a melhor solução para este ano letivo/época, em que só vou fazer duas disciplinas no primeiro semestre, ficando com o segundo livre da parte académica, devido à densidade de estágios e competições. A lei não promove a melhor conciliação entre a vida de um atleta que também queira ser estudante, mas felizmente existem pessoas responsáveis que fazem parte do sistema que querem realmente ajudar e que valorizam o desporto.